Casos de Inovação

Casos de Inovação
A A A |

L´Oreal

Apresentação

Produto lançado pela L’Oréal combina proteção à saúde da pele com atributos estéticos, que agradam às consumidoras.

A empresa

• Rio de Janeiro - RJ

• Porte: Grande

• 2700 Colaboradores

• Inovação de produto

• Setor: Cosméticos

• Agenda da MEI: Marco regulatório

O projeto

O Anthelios Airlicium FPS 70 da L’Oréal, desenvolvido pelo Centro de P&D da empresa no Rio de Janeiro, é o resultado de intensas pesquisas baseadas em informações coletadas com dermatologistas e consumidores brasileiros, para detectar as características desejadas em um protetor solar.

A inovação do produto foi aliar a proteção contra o câncer e o envelhecimento da pele à sensação de pele limpa e sem brilho, pela diminuição do sebo. Uma combinação que caiu no gosto das brasileiras e rapidamente alçou o Anthelios Airlicium ao topo da lista dos produtos mais vendidos, no mercado de dermocosméticos.

A versão com cor foi a mais indicada pelos dermatologistas em 2016 e, junto com a versão sem cor, responde por 53% da evolução do mercado desse segmento, segundo estudo do IMS-PMB, que traça o perfil estatístico-comercial dos produtos farmacêuticos no Brasil.

Em um país onde 9% da população têm algum tipo de pré-câncer ou câncer de pele, segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, o uso diário de protetor solar é um hábito bastante difundido. Mas as pesquisas da L’Oréal identificaram que o fator saúde não é o único que importa na hora da compra. “A consumidora quer um produto que proteja sua pele e, ao mesmo tempo, mantenha a pele limpa ao longo do dia. Ela não quer a sensação de pele pegajosa”, explica Marina Espósito, pesquisadora responsável pelo projeto.

A solução tecnológica que reuniu todas essas qualidades foi a incorporação do Airlicium na fórmula, um tipo de sílica-gel desenvolvido pela NASA para captação de poeira cósmica, que, alem da altíssima porosidade, tem a capacidade de absorver 10 vezes o seu peso em óleo.

Outras propriedades dessa matéria-prima caíram como uma luva para atender às expectativas da consumidora brasileira: uma delas é a propriedade de repelir água, que acelera a evaporação da umidade da pele; outra é a capacidade de proporcionar um acabamento leve e sem brilho, dando a sensação de pele limpa ao longo do dia. O Airlicium ainda tem a propriedade de cobrir imperfeições da pele, com efeito ainda maior na versão com cor.

Inovação brasileira

O Airlicium já era conhecido de outros centros de pesquisa mundiais da L’Oréal desde 2011, mas ainda não havia sido aplicado em protetor solar. A inovação aconteceu no centro de pesquisa brasileiro, um dos seis que compõem a estrutura de pesquisa e inovação da empresa no mundo.  O desenvolvimento do Anthelios Airlicium “veio de pesquisa com o consumidor, da caracterização da pele do brasileiro e do time de inovação e marketing, que identificou a real necessidade dos dermatologistas e das consumidoras”, destaca Marina.

Atenta a produtos que respondam a tendências e necessidades dos consumidores em outros lugares do mundo, a L’Oréal fomenta a troca de conhecimentos entre os diversos centros de pesquisa.

Essa interconexão deu visibilidade e reconhecimento à equipe brasileira, formada por 117 profissionais. “Estamos efetivamente galgando cada vez mais o título de inovadores”, diz Cristina Garcia, diretora científica da L’Oréal Brasil. “Um produto que é desenvolvido no Brasil pode ser um produto que também vai resolver um problema da mulher do Sul da Ásia, ou de uma mulher nos Estados Unidos. Tem uma riqueza muito grande, um potencial de inovação, não só para o Brasil em si, mas também para o mundo”. completa Cristina.

Reconhecimento do consumidor  Os testes de uso do Anthelios Airlicium diretamente com os consumidores comprovam o sucesso do lançamento de um produto antenado às necessidades e desejos de quem vai utilizá-lo.

Os dados falam por si sós: entre os que usam a versão com cor, 91% afirmam que o protetor solar atenua imperfeições da pele e proporciona a sensação de pele limpa e fresca. Enquanto 80% atestam que o produto controla a oleosidade da pele.

Entre os usuários da versão sem cor, 91% percebem que o produto resiste à transpiração e tem fragrância agradável, enquanto 86% afirmam sentir a pele menos oleosa com o uso constante.

“O mercado cosmético lida com sonhos, com aspirações. Precisamos ter a certeza de capturar bem essas necessidades; precisamos ter a sensibilidade não só de detectar algo puramente técnico, mas também o que a consumidora espera do ponto de vista sensorial”, resume Marina.


Baixe o PDF para o documento completo:

Baixar PDF