Casos de Inovação

Casos de Inovação
A A A |

Sunew

Apresentação

Startup mineira revoluciona o mercado de energia solar, ao produzir em grande escala filmes orgânicos fotovoltaicos, que podem ser aplicados em superfícies diversas.

A empresa

• Belo Horizonte - MG

• EPP

• 23 Colaboradores

• Inovação de produto e processo

• Setor: Energia

• Agenda da MEI: PME inovadoras

O projeto

O potencial de aplicação do novo produto, desenvolvido pela Sunew, é praticamente inesgotável. Trata-se de um filme leve e flexível, impresso com polímeros fotovoltaicos, que transformam a energia solar em energia elétrica. A tecnologia, conhecida como OPV (organic photovoltaic), ocupa com vantagens espaços não atendidos pelos painéis de silício.

Embora a tecnologia não seja inédita no mundo, a inovação da Sunew foi imprimir os filmes em grande escala e desenvolver a competência de desenvolvimento do produto, o que ampliou as possibilidades de geração de energia para fachadas de construções, mobiliário urbano, telhados de postos de gasolina, tetos de carros e até mesmo mochilas.

A primeira aposta da Sunew foi laminar o filme fotovoltaico com o vidro, para utilização em fachadas. Foram anos de pesquisa e de testes, até se chegar à laminação perfeita, sem enrugamento, com boa transparência e possibilidade de uso de cores.

A Construtora Innovalli, primeiro cliente, instalou vidros com OPV na fachada de seu novo edifício na cidade de São Paulo, obtendo energia elétrica suficiente para fazer funcionar 65 posições de trabalho diariamente.

Mesmo custando cerca de 40% a mais do que o custo de vidros comuns, o investimento será recuperado ao longo do tempo. Mas o grande valor aqui é a agregação do pioneirismo, inovação e sustentabilidade ao nome da empresa.

Nos painéis fotovoltaicos, a energia é produzida a partir da transformação da luz solar em um fluxo contínuo de elétrons, devido às propriedades dos materiais que compõem as células. A corrente contínua é transformada em alternada e então ligada à rede elétrica da concessionária, gerando créditos.

O desenvolvimento de uma máquina especial de impressão, adaptada de equipamento de serigrafia alemão, além do desenvolvimento produtivo das cinco camadas de tinta – formando um composto polimérico fotovoltaico, obtido a partir de um pigmento à base de carbono – foram os maiores desafios para criar o inovador Sunew glass.

Com isso, a Sunew pôde imprimir grandes rolos de filmes, alcançando a capacidade produtiva de 400 mil m² por ano, competência que projetou a empresa como uma das líderes mundiais de OPV. “Os segredos industriais são o nosso diferencial no mercado”, garante Marcos Maciel, CEO da Sunew.

 

Modelo de negócio tropicalizado

A Sunew nasceu em 2015 como uma spin-off , para comercializar o OPV criado pelo CSEM Brasil, instituição privada sem fins lucrativos, voltada para o desenvolvimento de tecnologias de ponta.

O modelo foi inspirado no Centre Suisse d’Électronique et Microtechnique (CSEM S.A.), que teve papel preponderante na recuperação da competitividade da indústria suíça, a partir da combinação de esforços do governo, empresas e universidades, para desenvolver novas tecnologias e criar empreendimentos inovadores.

O CSEM Brasil foi fundado em 2006, como uma joint venture entre o CSEM suíço e a Fir Capital, uma gestora de fundos de investimento com importante trajetória no desenvolvimento de experiências empresariais tecnológicas em Minas Gerais.

O CSEM foi fundado com o objetivo de investir em tecnologias nascentes, para trilhar um caminho próprio, pavimentado pela busca constante da inovação.  “Não somos uma filial da Suíça, o que fazemos aqui eles não sabem fazer lá. Somos parceiros, mas tudo que fazemos aqui é brasileiro, do investimento à tecnologia”, explica Maciel.

E deu certo. A equipe, formada por cientistas de 11 nacionalidades, criou um produto inovador que, ao contrário dos painéis de silício, gera energia em qualquer angulação, é eficaz – mesmo com pouca luminosidade – exige muito menos mão de obra e energia para sua fabricação – por ser um composto orgânico à base de carbono – não é tóxico nem causa impacto ambiental

 

Mercado promissor

Considerada a melhor alternativa para substituir os combustíveis fósseis, a energia fotovoltaica tem recebido investimentos expressivos em vários países, promovendo o crescimento de 30% ao ano, desde o início deste século.

O governo alemão calcula que, em 2050, essa fonte de energia responderá por 25% das necessidades mundiais. As perspectivas para o Sunew glass são, portanto, muito promissoras, principalmente porque, segundo a Sunew , o potencial de geração de energia solar no Brasil é cerca de 60 vezes maior do que o da Alemanha, líder mundial no setor.

Mesmo assim, a Sunew tem consciência de que a eletrônica orgânica ainda tem muito a avançar, principalmente no que se refere à redução de custo e ao aumento da eficiência energética do OPV.

Ao mesmo tempo em que testa novos materiais, a Sunew estuda novas aplicações para o filme, que tem tudo para revolucionar a forma de geração e de utilização de energia nesse planeta, generosamente iluminado pelo Sol.


Baixe o PDF para o documento completo:

Baixar PDF